Quarta-feira, 2 de Novembro de 2011

Onde pára a minha soberania?

Vamos fazer um pequeno exercício: vamos imaginar que acabei de entregar o IRS e descubro que devo 5000€. Quais são as minhas opções?

Segundo a lógica da UE, da Merkel, do Sarkozy, dos analistas, até dos jornalistas, só há uma opção: pagar. Não pagar é colocar-me numa posição de privilegiado frente à restante sociedade. Tenho de pagar. Impensável não pagar. Faça o que fizer, tenho de pagar.

Não posso decidir não pagar? Claro que se não pagar tenho de arcar com as consequências. Podem me vir buscar o carro. Posso ir para a prisão. Convém que pense muito bem antes o que vou fazer. O mais certo é escolher pagar. Mas recuso-me a aceitar o não poder optar que me querem impingir. Quero ter a liberdade para poder escolher!
publicado por @luis_grave às 22:57
link do post | comentar | favorito
|
3 comentários:
De Bruno Mota a 2 de Novembro de 2011 às 23:22
O problema deles e nosso é como pagar e não tanto a questão de se pagar ou não. Da mesma forma que a união europeia, na altura CEE ainda com 11 estados membros, foi recebendo mais países, impôs-lhes também regras específicas, nomeadamente a nível do investimento público (infraestruturas, redes de transportes, etc.) e das cotas de produção,obrigando o país a receber as "ajudas" que no nosso caso e no deles foram aplicadas 50-50 (50% de investimento e 50% para o bolso de meia dúzia). Como foi assim também deviam esperar o que está a acontecer agora. Nem todos os países tem tantos cordeiros como em Portugal. Alea Jacta Est!


De ya pois a 3 de Novembro de 2011 às 02:56
Não discuto que haja regras específicas. Agora a Grécia pode decidir ignorá-las (e arcar as consequências). E este direito de decidir marca a soberania da Grécia. O resto é um dEUS nos acuda!


De Anónimo a 3 de Novembro de 2011 às 21:36
ó chefe. Estás a falar de dívida soberana, não da dívida do senhor Joaquín que quis comprar um mercedes todo XPTO. A dívida dos estados tinha-se até agora como 100% segura, não pagando abre-se um precendente muito grave. E o que acontece? Até podiamos pensar: Nada! mas não, simplesmente ninguém nos volta a emprestar dinheiro, perdemos a credibilidade e se o nosso objectivo é tentar fazer com que os juros baixem para nos podermos financiar de uma maneira sustantavel pois então estás a ir pelo cominho contrário. Aconteceu há 10 anos com a Argentina, onde a classe média passou fome e que ainda hoje dia passou do país com melhor nível de vida na américa do sul para um dos piores, não existe classe média, e muita gente passou\passa fome!

Podes dizer: "Mas isso vai acontecer cá pelo mesmo caminho", talvez, mas se a coisa for bem feita podemos minimizar o impacto, qualquer renegociação da dívida ou não cumprimento implica simplesmente a perda de credibilidade nos mercados.

Resumidamente estamos fodidos, mas numa das maneiras somos penetrados analmente e noutra vá... um pouco menos desagradável. A não ser que a Grécia seja um estado de paneleiros, o que sinceramente duvido.


Comentar post

.pub

.pesquisar

 

.posts recentes

. Tenho medo

. Facebook Important Messag...

. Adopção por um casal gay?...

. A DECO a pregar no desert...

. 16,7% de desemprego daqui...

. Este é o presidente de to...

. Não, não é montagem

. A censura da RTP Madeira

. A igreja católica e a mor...

. Vamos brincar às multas?

.Fevereiro 2014

Dom
Seg
Ter
Qua
Qui
Sex
Sab

1

2
3
4
5
6
7
8

9
10
11
12
13
14
15

16
17
18
19
20
21
22

23
24
25
26
27
28


.arquivos

.tags

. todas as tags

.mais sobre mim

blogs SAPO

.subscrever feeds